São Francisco de Assis

Tem dois ídolos que permanecem na minha vida há muitos e muitos anos: Gandhi e São Francisco de Assis. E é engraçado que os ídolos tem muito a ver com o momento em que vivemos, né! Quando adolescente tive meus ídolos icônicos da música, do cinema e, claro, liiiiiiiiindos, como New Kids on the Block, Backstreet Boys, Rodrigo Santoro, Matt Damon, Liv Tyler etc. (os 3 últimos continuo achando lindos e maravilhosos e admirando até hoje). Na época do ballet, todas aquelas grandes bailarinas viviam estampando meus cadernos e agendas: Isadora Duncan, Margot Fonteyn, Ana Botafogo, Cecília Kerche, Nureyev, Ana Plavova, Mikhail Baryshnikov, Sylvie Guillem. Depois na minha fase FFLCH, obviamente, passei a ter como ídolos aquelas pessoas que lutaram e morreram pela humanidade como Che Guevara, Marighella, Lamarca, Trótski – outros que eu continuo admirando extremamente, mas que ao longo dos anos passei a questionar os meios. Só que os dois que eu citei lá no começo eu comecei a admirar ainda na adolescência, e minha admiração por eles nunca se abalou, nem por um segundo, porque o meio que eles encontraram para seguir é tão louvável e irretocável que só cabe a mim almejar um dia ser tão nobre quanto eles.

Eu me lembro que eu era adolescente quando comecei a gostar de Gandhi e do caminho pacífico que ele escolheu para lutar pela Índia. Não sei precisar quando, mas sei que foi no colégio, quando estudava sobre. Já minha paixão por São Francisco tem data: maio de 1995. Eu tinha 16 anos e fui assistir um musical chamado Francisco e Clara, onde minha amiga Joyce, que fazia colégio comigo, interpretava a Clara. E foi ali que comecei a descobrir parte da história desse homem tão maravilhoso, pois a peça contava a história de São Francisco e Santa Clara e como eles encontraram o caminho da religião. O engraçado é que muita gente acha que eu gosto de São Francisco porque eu tenho duas cachorras e ele é o padroeiro dos animais, mas minha admiração dele vem tão de antes, quando eu nem sonhava em ter bicho em casa. Vem da figura que ele foi, do exemplo de ser humano, da figura a ser seguida.

No meio da Idade Média, numa família super abastada, nasceu alguém que decidiu abrir mão de toda uma vida de luxos para viver por aquilo que acreditava. Eu não sou católica, muito menos evangélica, embora seja uma pessoa que admire demais Jesus e sua conduta, e acredite que ele foi um ser iluminado e muitíssimo a frente ao seu tempo – inclusive a frente do nosso tempo. E acho que São Francisco também é um desses homens. E hoje, num dia que todos tomaram por pauta falar da crueldade contra os animais, nada melhor do que falar desse homem que ficou conhecido como o padroeiro dos animais. Só que o que as pessoas não sabem é que ele é muito, muito, muito mais do que isso.

Nascido na cidade de Assis (que hoje faz parte da Itália) com o nome de Giovanni di Pietro di Bernardone, provavelmente no dia 5 de julho de 1182 e falecido aos 44 anos, no dia 03 de outubro de 1226, ele era filho do comerciante italiano Pietro di Bernadone dei Moriconi e de Pia Bourlemont, que tinha ascendência francesa. A família de Francisco fazia parte da burguesia da cidade de Assis graças a negócios bem sucedidos em Provença (França). O porquê ele ficou conhecido como Francesco/Francisco ainda é incerto, mas existem várias explicações e todas elas plausíveis. Há quem diga que depois de uma viagem à França, ele teria se apaixonado pelo estilo de vida francesa, e então seu pai teria passado a chamá-lo de francesco, que significa francês em italiano. Em outras versões o apelido veio por conta do gosto dele pela língua francesa, paixão essa que perdurou por toda a vida de Francisco, já que naquele tempo era a língua da maioria das obras da literatura cavaleiresca e amorosa. O que se sabe é que, mesmo sendo batizado como Giovanni, ele passou para eternidade com o nome de Francisco. E ele é um dos santos mais famosos e mais queridos da igreja católica, e há correntes que dizem que ele foi a maior figura do Cristianismo desde Jesus, o que é fácil de ser encarado como uma verdade, já que Francisco resolveu retomar os ensinamentos de Cristo e levá-los a risca, ao pé da letra.

Francisco viveu uma infância, adolescência e juventude normal, cercada de luxos e riquezas e como um membro da burguesia, desfrutava de tudo que lhe era oferecido de acordo com a educação que recebeu na época. Até que com pouco mais de 20 anos teve uma visão e uma revelação e então voltou-se para a vida religiosa. E radicalizou e entregou-se a uma vida de completa pobreza, fundando a ordem de freis ficou conhecida como Franciscana e renovou o Catolicismo de seu tempo. Ele acreditava que a pregação deveria ser itinerante, enquanto os religiosos de seu tempo estavam sempre vinculados aos mosteiros. E sua crença era de que o Evangelho devia ser seguido a risca, imitando-se a vida de Cristo, e assim desenvolveu uma profunda identificação com os problemas de seus semelhantes e com a humanidade do próprio Cristo. Francisco chocou a todos quando afirmou a bondade e a maravilha da Criação, e se dedicou aos mais pobres dos pobres, os leprosos (que eram proscritos da sociedade) e amou a todas as criaturas (sejam elas plantas ou animais) chamando-as de irmãos. Foi também São Francisco que, no Natal de 1223, convidado para celebrar a festa numa gruta com pastores e animais, desejando recriar o nascimento de Cristo em Belém, que deu origem a tradição dos presépios, tão presente até os dias de hoje.

No dia 03 de outubro de 1226, São Francisco faleceu e pouco mais de 1 ano e meio depois, o papa Gregório IX foi pessoalmente a Assis para canonizá-lo no dia 6 de julho de 1228. Passados dois anos, em 1230, foi inaugurada uma nova basílica em Assis, que recebeu seu nome e até hoje guarda as relíquias do santo e abriga seu túmulo definitivo. Por conta de seu amor e dedicação à natureza, ele ficou mundialmente conhecido como o santo patrono dos animais e do meio ambiente, já que sempre os tratou como iguais, como irmãos.

Apesar de ter realizado uma série de milagres – o que seguramente contribuiu para sua rápida canonização – a fama de santidade de São Francisco se deve muito mais ao seu exemplo de vida do que aos milagres propriamente ditos. Uma vida de completa dedicação ao próximo, de caridade verdadeira e sincera, de amabilidade e fraternidade, do sorriso no rosto que sempre recebia aos necessitados, da simplicidade e da sinceridade, da disposição e de tudo aquilo que fizeram dele esse homem que é tão amado e admirado há quase um milênio. Características que fazem uma pessoa como essa ser tão admiradas por gente como eu, que sou uma pessoa que não tenho nenhuma religião específica, apesar de acreditar muito em Deus, mas antes de tudo acreditar na humanidade, porque acho que somos nós que espelhamos as ações e as vontades de Deus. E minha fé na raça humana é tão forte porque eu sei que somos capazes de gerar seres como São Francisco, como Gandhi e como tanta gente anônima que eu sei que existe por aí e que se preocupa em ajudar quem precisa, que se preocupa com a natureza, com os animais, com as plantas, que prega a não-violência. O mundo gera gente assim, eu sei. Eu acredito. E é gente assim que eu admiro e é nesse tipo de gente que eu tenho fé, independente da religião ou do meio que eles tenham escolhido para ajudar o próximo. Afinal de contas se todos trabalhássemos unidos por um bem maior, tudo seria tão mais fácil.

Eu só espero que São Francisco sirva de exemplo pra vocês, mas muito mais além do que o amor que ele sentia pelos animais, e sim pelo amor que ele sentia pelo próximo. Porque eu conheço muita gente que se preocupa muito com o animalzinho que foi maltratado pelo vizinho, mas não tá nem aí para a criança que tá passando fome na esquina. E a gente deveria se preocupar com tudo, não é mesmo?! Então que São Francisco seja espelho de fato, no todo.

366/21

Sobre Tayra

"Eu não aceito o que se faz Negar a luz, fingindo que é paz A vida é hoje, o sol é sempre Se já conheço eu quero é mais"
Esta entrada foi publicada em About me, Felicidade Partilhada com as etiquetas , , . ligação permanente.

8 respostas a São Francisco de Assis

  1. Pingback: Meme: Um objeto que me defina | Teia de Renda

  2. Pingback: Viva São Francisco | Teia de Renda

  3. Pingback: Graça alcançada | Teia de Renda

  4. Carlos Alberto diz:

    É admirável a sua visão, que o Grande Senhor lhe abençoe!

  5. joiceg diz:

    Muito bom Tay… adorei ler tudinho, só pra variar.

  6. Adorei de ler-lo seu texto, simples e objetivo. Leitura bem agradável. Deus te abençoe…!

  7. Pingback: Marcas na pele | Teia de Renda

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s