Dia Internacional da Vovozinha

Não venham querer me dar aula de História a respeito da importância desse dia, sobre as operárias, sobre as conquistas, porque, afinal de contas, eu fiz faculdade de História. A questão é que só tem dia especial quem é minoria, e minoria não quer dizer que está em menor número, mas que é tratado como diminuto. Eu não quero ter um dia pra ser parabenizada, receber flores e ser lembrada da minha condição de mulher. Eu quero ser tratada como dignidade todos os dias. Eu quero não ter que chegar no almoço de domingo na vó do Thiago e ela me mandar levantar da mesa pra buscar a sobremesa pra ele. Eu quero que ninguém ache absurdo saber que antes de termos empregada eu é lavava a louça e ele lavava o banheiro, e que quem dirige (e gosta de fazer isso) aqui em casa sou eu.

O pior é que eu já falei tanto, tanto, tanto, tanto sobre assunto que pareço um disco riscado, todo ano tenho que me repetir e fico parecendo a tiazinha ranzinza e amarga, mas é um saco. E enquanto as mulheres, os negros, os gays e os índios tiverem que ter um dia especial para celebrarem sua condição é sinal de que alguma coisa está errada. E o pior é que todo mundo acha tudo isso muito bonitinho e sai parabenizando por aí. Ou é hipocrisia, ou é cegueira, ou é burrice…

Desabafo da tia ranzinza concluído.

366/66

Sobre Tayra

"Eu não aceito o que se faz Negar a luz, fingindo que é paz A vida é hoje, o sol é sempre Se já conheço eu quero é mais"
Esta entrada foi publicada em Desabafinho com as etiquetas . ligação permanente.

21 respostas a Dia Internacional da Vovozinha

  1. Eliane diz:

    Tá certo desabafar assim! Mas é pra isso mesmo que o dia das mulheres serve! Pra que as mulheres não se acomodem na posição de minoria! Reclamar por reclamar não serve e o seu texto não é só uma reclamação e sim uma amostra do que a gente vem lutando todos os dias, pra que sejamos respeitadas de igual pra igual!

  2. Cris diz:

    Eu também fiz faculdade de História e sei toda a ladainha. O dia também não me convence e fiz um post mais revoltado que o seu sobre isso hoje. Todo o ano, a mesma hipocrisia. É osso.

    Beijos!

  3. Lucas Lopes Moreira diz:

    “Enquanto as mulheres, os negros, os gays e os índios tiverem que ter um dia especial para celebrarem sua condição é sinal de que alguma coisa está errada.”. Falou tudo! Amei o ‘desabafo’ e, mais uma vez, sou obrigado a dizer que amo seus textos.

  4. Esse post chegou a mim a partir de um compartilhamento no Facebook. Achei o título um tanto curioso e resolvi ler. Que decepção.

    Quer dizer que se seus filhos (caso você tenha, ou venha um dia a ter) te convidarem para uma homenagem no dia das mães, ao invés de se emocionar você vai ficar ofendida? Aliás, se mãe tem dia, é porque é um ser “diminuto”… e os pais também têm dia né… ou seja, banana pra você.

    Sei que o dia das mães e dos pais foi feito pelas associações comerciais para vender mais, mas não aprendemos a tomar esse dia como reflexão sobre como vivemos e vemos uns aos outros?

    Eu sempre achei que conhecer a história fosse o único jeito de aprender com nossos erros e de nossos antepassados, para não repeti-los no futuro, então creio que o dia internacional da mulher tenha sido feito para que todos nos lembremos que somos iguais, independente do sexo. Não creio que esse dia tenha sido feito para ofender-lhe ou colocar-lhe em posição de minoria, mas para que todos nos lembremos que o dia em que a mulher foi tratada como tal nunca se repita.

    Então, de dia das mulheres, te ofereço um espelho, pra você ficar aí refletindo ;)

    • t4yra diz:

      Entenda como quiser, eu vou continuar achando uma hipocrisia ser xingada no trânsito diariamente e no dia 08 de março ser recebida com rosas pelos colegas de trabalho.

      Opinião tá aí pra isso, pra ser compartilhada, debatida e refletida. E que bom que você já tem em mente que dia das mães e dos pais é data comercial, nada além disso, não é homenagem pra ninguém. Você, sinceramente, como homem, acha que é um dia que se presta homenagem e que o mundo se torna mais justo para as mulheres? Ou acredita que isso traz algum tipo de mudança pra gente? Eu sinceramente não.

      • Pode perguntar para qualquer homem, ser xingado no trânsito não é exclusividade das mulheres.

        Acho que esse dia foi feito para celebrar a luta das mulheres pela igualdade, e por isso todos temos mais é que parabenizá-las por essa luta e por suas conquistas através dos tempos.

        Sim, cada dia o mundo se torna mais justo para as mulheres, hipocrisia mesmo seria negar isso. Distorcer o significado e importância dessa data, bem como a maneira que a tormanos importante (que é parabenizando as mulheres por serem mulhers, e não por sua condição e posição na sociedade), é um passo pra trás nesse caminho.

        A verdade é que a vida é dura para qualquer um, todos somos minoria e maioria, depende do momento e ponto de vista. Todo mundo tem direito a celebrar suas conquistas: homens, mulheres, negros, homossexuais, mães e pais, crianças, avôs e avós, trabalhadores rurais, metalúrgicos, secretárias e até quem já morreu (celebramos pela memória deles).

      • t4yra diz:

        Xingado todo mundo é, mas mulher é xingada pelos simples fato de ser mulher. Nem querendo ser feminista, nem nada, até porque tenho horror a esse tipo de posicionamento, mas há algumas coisas que só vivendo na pele pra saber. E eu convivo com o machismo dia a dia, principalmente o vindo das mulheres que são as principais por continuarem moldando e criando filhos que perpetuam essa sociedade que continua sim machista e desigual, e que apesar de, inegavelmente, já ter descortinado muitas conquistas, está muitíssimo longe de ser igualitária…

      • “Nem querendo ser feminista” foi a cereja do bolo.

      • t4yra diz:

        Gabriel, sério… Parei por aqui, mas pelos seus argumentos que acha que todo mundo sofre igual, só depende do ponto de vista, já vi que não dá pra discutir nada com você. Continue vivendo aí no seu mundinho das maravilhas, e não se esqueça de comprar dúzias de rosas pra distribuir pra todas as mulheres que conhece no dia de hoje, porque se forem como você, vão ficar bem felizes em recebê-la.

      • Felipe diz:

        Acredito que você está confundindo alhos com bugalhos.

        O dia internacional da mulher existe para comemorar uma conquista, o fim de coisas absurdas que ocorriam no passado e começaram a melhorar.

        A existência do dia não anula o fato de existirem pessoas mal educadas – e isso independe de gênero como todos sabemos – não anula o fato de que todas as pessoas de bem querem mais educação no trânsito, mais educação na rua, serem tratadas todos os dias com respeito, etc.

        Só que a existência de coisas ruins também não deve anular a existência de um dia para se celebrar / comemorar / lembrar de questões que foram conquistadas.

        Todos temos o direito – e diria até o dever – de lutarmos por um mundo melhor, por condições melhores, por mais educação, por mais amor, por mais humanidade.

        Eu posso muito bem continuar a minha luta diária e mesmo assim dar os parabéns a amigas queridas por este dia importante na história, uma coisa não deve anular a outra.

        Se for assim, aniversários também não devem ser comemorados, eu deveria receber os parabéns todos os dias, é isso? Eu acho que não, até porque para mim, mesmo o dia das mães, por mais que exista um lado comercial, para MIM é um dia especial, é um dia que uso para me lembrar da minha mãe (já falecida) de uma forma especial.

        “Revoltar-se” contra o dia em questão é canalizar sua energia de forma equivocada, é perder a oportunidade de enxergar o dia como algo positivo – porque pelo menos neste dia dá para termos um pouco do que gostaríamos de ter todos os dias, ou na maior parte deles.

        Não termos a capacidade de enxergarmos algo positivo (ou vai falar que um amigo querido lembrando de você e falando algo bacana é ruim?) só porque não ocorrem sempre é tornar o mundo em algo pior ainda.

        E parabéns pelo dia internacional das mulheres para você, espero que cada vez mais homens (e também mulheres) tratem as pessoas bem independente do gênero (e de tantas outras coisas).
        =)

      • t4yra diz:

        Eu entendo o seu ponto de vista, mas ainda assim não concordo. Acredito que quando o dia surgiu tinha seu propósito de ser. Mas anos, décadas se passaram e avançamos sim, mas a passos muito lentos. Um amigo meu disse eu copio suas palavras porque acho que traduz muito bem o que eu penso: “Essa questão de tratar um dia só como dia da mulher é meio que prêmio de consolação para a razão de nossa existência. Não há mundo sem mulher, não há vida, e muito menos graça. eu levo esse 8 de março como todos os outros dias, tratando com carinho e respeito que todas merecem. e nunca há de ser diferente!”. Porque é esse o tipo de atitude que eu espero de todos, sabe.

        O que mais me incomoda é ver gente que é rude e grosseiro conosco no dia a dia e hoje chega com rosas e felicitações. Esse tipo de postura é o mais costumeiro no 08 de março, infelizmente. Mas acho que sempre vale o espaço para debate e reflexões. Concordo contigo que o bom pensamento e a boa vibração sempre são bem vindos, independente do dia, do momento. Mas o que é triste é a hipocrisia com que a sociedade em geral encara o dia de hoje. A questão é que nos 10 anos em que eu tenho blog eu me repito sempre no dia de hoje, sempre, sempre, sempre. Só ano passado passou batido, já que a data caiu no Carnaval, e o povo tava mais preocupado em cair na folia do que ficar com essa papagaiada, e aí pra não ficar chovendo no molhado, eu fiz um post curto, de desabafo, já que o Facebook e o Twitter estavam atulhados de mensagens e de gente me marcando em fotos de rosas e corações. Pelo menos para me deixarem de fora disso…

      • flep diz:

        Tayra

        Eu entendo essa opinião, mas acredito que o dia de hoje, a data, não deve ser o foco da “revolta”, entende? Baseado no que você escreveu, e da frase que pegou do seu amigo, eu enxergo alguns cenários:

        1) A pessoa mal educada que continua mal educada mesmo hoje

        2) A pessoa mal educada e rude que só hoje é gentil

        3) A pessoa sempre bem educada e que hoje aproveita para dar um “plus” (cenário este em que orgulhosamente mas humildemente me encaixo)

        O cenário 1 e 2 são justamente os que se encaixam na parte ruim, na parte da “revolta”, na parte que concorso sim, deve ser “atacada”. Só que para o cenário 1), pouco importa, a pessoa também odeia o tal dia e está pouco se lixando, então para “atacar” esta pessoa, só mesmo falando diretamente sobre o problema, que seria a “falta de educação”.

        No cenário 2, é o caso de atacar o problema da hipocrisia – por exemplo, se for uma pessoa próxima, que tenha-se liberdade, é o caso de abordar e contestar a atitude da pessoa, do porque ela não aplica aquela postura em todos os outros os dias.

        O cenário 3 é justamente as pessoas que sempre tem boa educação, são gentis, etc. Só que, você percebe que, ao atacar “O DIA”, as pessoas mais “afetadas” são justamente a deste cenário?
        Se eu sou um cara que sempre trato mulheres com educação e hoje dou o parabéns a uma mulher, faço um agrado a mais, mas a pessoa ao invés de achar legal se sente ofendida, fala pra mim que é hipocrisia, eu HOJE estarei sendo “punido” (de certa forma), por ser sempre educado – porque neste caso, todos os dias que sou gentil são legais, MENOS hoje, ai de mim se der os parabéns hoje.

        Deu pra entender? Percebe como é contraditório atacar o “dia”, a “data”, ao invés de atacar os reais problemas? Foi o que falei na minha mensagem anterior de canalizar a energia de forma equivocada.

        Reclame das pessoas mal educadas, reclame dos hipócritas, mas não PRIVE os bem educados de hoje fazerem um plus, um agrado a mais, e principalmente, não PRIVE você mesma de receber manifestações verdadeiras e sinceras de educação, de agrado, justo hoje.

        PS: não espero que minha opinião mude a sua como que da água para o vinho, mas se fazer você ao menos pensar “ok, talvez ele não seja tão doido e eu esteja sendo um pouco radical demais…”.. mission accomplished! =)

      • Acho muito legal as pessoas terem um espaço para que possam expressar suas opiniões, como seu blog por exemplo. A partir do momento que você abre espaço para comentários, porém, você abre espaço para discussões e pela sua última resposta você não está preparada para tal.

        Meu comentário não teve a intenção de ser ofensivo, e sim de colocar a tônica no fato extremamente contraditório de que a autora de um post feminista extremista dizer ter horror ao feminismo.

        Essa última resposta só demonstrou seu egoísmo, falta de argumentos e maturidade para participar de uma dialética construtiva, sem contar o fato de você, segundo a interpretação de um amigo sobre seu texto, achar que por ter diploma de curso superior em história te torna uma autoridade em alguma coisa: a posição desigual da mulher na sociedade. E também mostra que você não tem a menor capacidade de tocar nos assuntos acerca da vida dos outros, porque falar que eu vivo no “mundinho das maravilhas” foi o ápice da estupidez.

        Quem parou fui eu. Devolve o espelho, você parece não ter capacidade para refletir para aprender, crescer e tornar-se uma pessoa melhor (e menos amargurada, vixe credo)!

      • t4yra diz:

        Pra você não concordar com o dia da mulher é ser feminista extremista… Puxa!!! E pelo jeito você por dois parágrafos de texto já quer traçar todo um perfil psicológico meu… Excelente!

      • Então você não fez isso ao dizer que eu devo voltar para o meu “mundinho das maravilhas”… foi preconceito mesmo. É por eu ser homem?

        Ah, e por sinal, acho que toda mulher que eu conheço iria gostar de receber rosas hoje…

  5. Eliane diz:

    Falou o rei em promover o crescimento humano via comentários de blog!

    Gabriel, você é homem e pela foto é branco. Tenho certeza de que se você enviasse um currículo para uma empresa dizendo que está na faixa dos 25~30 anos e não tem filhos a empresa descartaria seu currículo sem olhar o resto pelo simples fato de ser uma mulher em “idade fértil” e que provavelmente vai engravidar e tirar licença maternidade.

    Duvido que como homem afirmando que não é só minoria que sofre você seja hetero, e que nunca passou pela situação de falar meio mole e ter 10 pessoas ao seu redor te olhando torto.

    Assédio moral acontece com todo mundo, mas em maior número com gays, mulheres e negros. Sem falar dos estrangeiros, porque eles também sofrem bastante dependendo de onde vieram e em quais condições.

    Acontece que se você fechar um cara no trânsito vai levar uma businada e te chamam de filho da puta, se uma mulher faz isso ela “tinha que ser mulher mesmo” e ouve 20 vezes mais xingamentos.

    Um homem se andar sozinho na rua a noite pode ser assaltado. Uma mulher andando sozinha na rua, além de poder ser assaltada ela pode ser assediada, violentada e se duvidar chamada de vagabunda por estar andando sozinha a essa hora da noite.

    Mas enfim, falta maturidade a alguém por não concordar com o dia da mulher ou a quem acha que seu ponto de vista é o único que pode estar certo?

    • Parabéns pra você que quer me decifrar pelo meu avatar.

      1 – Sim, o meu trabalho é promover o crescimento humano, mas não em blogs. Meus alunos costumam agradecem muito pelo trabalho que faço.

      2 – Acho também um absurdo uma empresa descartar um candidato por estar numa faixa etária onde há maior chance de a pessoa ter filhos! Por outro lado, ninguém pode forçar uma empresa a preencher uma vaga, muito menos com alguém que ela não queira. Eu, no entanto, já fui recusado em processos seletivos por motivos mais bizarros e preferi não usar isso como muleta.

      3 – Já fui vítima de preconceito pelos motivos mais bizarros, todos somos, todos os dias. Por usar barba, por ser filho de pais divorciados, por não ser sócio do clube, por ter sido pai muito jovem… fazer o que né? Sigo a minha luta, não dou tempo para lamentos. O mundo é, de maneira extraordinariamente boa, muito grande e ao mesmo tempo muito pequeno, essas coisas vão e voltam.

      4 – Felizmente não conheço nenhum caso próximo, e espero que continue assim, de pessoas que tenham sido assediadas na rua ou algo do gênero. Sim, as mulheres são consideradas mais frágeis, e por isso são vítimas desse tipo de coisa mais facilmente e isso é um horror! Onde entra a igualdade nisso, a mulher não precisa de proteção especial nesses casos (como a lei Maria da Penha, que eu acho um exemplo da evolução da sociedade) ou o homem também tem que ser violentado? Estou confuso…

      Legal, acho que pude contar um pouco mais da minha visão sobre os seus argumentos, concordo com muitos deles inclusive. O fato é que falta de maturidade é “parei com você, volta pro seu mundinho das maravilhas” ao invés de argumentar, concorda?

      • Eliane diz:

        Não, não tentei te decifrar pelo avatar, nem ao menos tentaria. Sou analista de sistemas e só trabalho com informação dada. Se seu avatar é uma foto considera-se que ela seja sua. Quem se daria ao trabalho de fazer uma conta no gravatar pra por uma foto que não fosse própria? A não ser que tivesse algum problema mental (e já lidei com um esquizofrênico que fez isso mas não vem ao caso)

        Não falo de toda a discussão porque a partir do primeiro comentário a discussão já se tornou acalorada. E por mais que você tentasse desviar para a história do que o dia da mulher representa você não está vendo pelo ponto de vista que nós vemos. Você levou o texto da Tayra por outro lado, você viu pelo lado histórico mas não pelo lado do que acontece de fato. Eu digo isso porque eu vejo essas datas com muito mais apatia do que se aparenta. O que eu posso ver com total clareza é que não adianta nada comemorar uma data e nos outros dias agir como um filho da puta (não é pra ofender ninguém da conversa). Por exemplo: no dia do MEU aniversário eu detesto que pessoas que não tem o mínimo de respeito e amizade por mim venham me dar os parabéns sendo que no resto do ano me desrespeita. Aconteceu mais de uma vez, me lembro de certa vez em que uma menina me prejudicou muito em benefício próprio e alguns meses depois me desejou parabéns pelo meu aniversário. Pode ser até questão de “educação” cumprimentar, mas a hipocrisia do ato é de ferver o sangue.

        O mesmo acontece se alguém que claramente, durante todos os dias do ano, declama piadinhas machistas sobre o quanto a mulher é objeto e que ela só deve servir o homem e depois no dia de hoje vem com flores falar que nós merecemos o nosso dia por sermos delicadas rosas em seu jardim. Entende meu ponto de vista e que provavelmente também é o da Tayra?

        O mesmo acontece com Natal onde o espírito Natalino faz com que todos se arrependam de suas grosserias e ame toda a família, até aquela tia em depressão que você nunca quer ver durante o ano todo por ela ser um porre. Essas datas não mudam realmente a pessoa, se mudasse, se fizesse sim compreender que queremos a igualdade no sentido de respeito.

        Quando falei sobre violência a mulher não disse que os homens sofressem o mesmo, como você sugeriu de forma irônica. Disse sim que as mulheres fossem respeitadas a ponto de não serem tomadas como objeto sem quereres e sem vontades e violentada a bel prazer de quem a molesta. Pode parecer estúpido, mas você deve saber que abusos sexuais acontecem até mesmo dentro de um metrô lotado. Eu mesma já fui vítima de abuso, não uma mas várias vezes. Por isso não fico quieta quando acontece algo tão brutal quanto o assédio físico e moral que sofremos em cada investida dessas. Por isso não acho graça quando o assunto é violência sexual e subserviência das mulheres.

        A Lei Maria da Penha está aí para punir, mas quantas vezes o homem que bate em sua esposa é o mesmo que lhe trás uma rosa no dia das mulheres (e em tantos outros dias). Outra vez, é uma coisa que eu presenciei e que me deixa indignada que aconteça em tantos lares. Belo exemplo é o Netinho de Paula que cantava canções de amor e espancou a esposa. É hipócrita! Se vale da força que ele tem para bater em uma pessoa que claramente não tem condições de se defender. É disso que a gente fala e não da criança ser ensinada a valorizar a mãe no dia das mães. Os homens já são bem grandinhos e uma boa maioria ainda não aprendeu a respeitar a mulher como deveria. A quantidade de vezes que me mandaram “lavar louça” e “pilotar um fogão” não é pouca e veja só, eu nunca falei que o lugar de um homem era com a mão cheia de graça trabalhando com mecânica ou subindo uma parede de tijolos. O ser humano é muito mais que isso, mas o dia das mulheres não faz com que os homens parem de falar que o nosso pé é pequeno pra caber no vão da pia da cozinha.

        Nossa, já escrevi demais e espero que entenda, de uma vez por todas que discussão e argumentação não é sinônimo de ataque e longe de mim estar atacando alguém. Acontece que usar palavras irônicas só acalora discussões que poderiam ser produtivas, principalmente por texto sendo que não temos o tom de voz pra situar a comunicação.

        Fui!

      • Sim, acredito em você, e sei que temos que lidar com pessoas falsas que nos sorriem pela frente e apunhalam pelas costas, temos que lidar com pessoas sinceras que nos apunhalam pela frente mesmo, também, de novo, não é exclusividade das mulheres… receber “parabéns” no aniversário de alguém que você sabe que não te deseja felicidades por essa data… tudo isso faz parte de “viver em sociedade”, abrimos mão de algumas coisas, aguentamos essas “mentirinhas” (e contamos umas também) em prol do bom convívio.

        As mulheres abriram mão de muitas coisas em prol desse bom convívio, por muito tempo, eram tratada como ser inferior, tinham que se submeter às mais absurdas barbáries de toda a sociedade, e esse dia é dedicado à essa reflexão, sobre o passado, sobre o presente, celebrar as conquistas e esclarecer que ainda falta melhorar e tudo mais… ofender-se com congratulações por essa data na minha opinião é feminismo extremista sim, dos mais explícitos.

        Nenhum dos meus comentários teve a intenção de ofender, é só uma questão de ter maturidade e ponderar os argumentos, não precisa de grosseria, não precisa agir com infantilidade e dizer que eu vivo num “mundinho das maravilhas” e por isso meus argumentos são inválidos, não precisa tentar me dar uma lição de moral, que foi basicamente o que aconteceu há pouco.

        Homens e mulheres são diferentes, isso é fato, temos papéis e posições diferentes na sociedade. Isso pode mudar, as coisas podem ficar melhores PARA AMBOS. Mas será que toda diferença é ruim? Cada um não pode ter seu pequeno conjunto de privilégios simplesmente por sermos diferentes? Do meu ponto de vista na sociedade moderna e entre as pessoas com um mínimo de capacidade de pensar, as mulheres hoje estão em uma posição muito mais “igual” do que há 20 anos, e isso tende a melhorar.

        Dizer que eu não devemos congratular as mulheres nesse dia porque elas são xingadas no trânsito nos outros 365 dias do ano (coisa que eu, como eu disse não é exclusividade da mulher), que só tem dia especial quem é “minoria”, dizer que a vó do marido falar pra ela buscar sobremesa pra ele é ofensa ao invés de pensar em fazer um agrado… sei lá isso tá me parecendo mais amargura do que opinião.

        Por falar em datas comemorativas sem sentido… você já pensou o quanto é ofensivo dedicar vários dias (feriados inclusive) para o Carnaval, a Páscoa, o Natal, e tantos outro feriados religiosos para pessoas que não comemoram essas datas? Pode até ter pensado, mas que curte feriadão na praia, ah, o povo brasileiro curte, independente da cor, credo e orientação sexual. Sem querer levantar mais polêmica, mas né!

  6. Eliane diz:

    Se se ofender com congratulações pelo dia da mulher é feminismo extremo, como você julga não gostar de congratulações pelo aniversário como eu mesma disse?

    Não é feminismo extremo achar que todo feriado tem seu lado hipócrita, até mesmo o carnaval. Muita gente diz que odeia balada mas curte o carnaval em Salvador. Mas relembrando o que eu disse antes, recebo feriados com apatia, pra mim são todos feriados comerciais, tudo envolve a movimentação do mercado. A Páscoa é legal pras crianças por causa de ovos de chocolate, e se passa filme sobre a ressurreição de Cristo, o real motivo de ainda comemorarmos a Páscoa pela lei católica, todo mundo acha um porre. E tantos outros feriados. Pra quem trabalha por conta própria o feriado é só um motivo para que as pessoas corram pra viajar, mas quem tem prazo a cumprir vai levar o trabalho consigo (como fiz no carnaval) ou não viaja, ou não participa da migração em massa da população. Jornalista? Trabalha em feriado, não tem folga, feriado é dia de plantão. Médicos a mesma coisa e pior, porque feriado é sinônimo de mais acidentes e PS lotado.

    Ver pela ótica de quem generaliza é fácil, mas respeitar pela ótica de quem tem uma opinião diferente sem julgar de feminismo extremo ou qualquer coisa do tipo é necessário. Porque, que eu me lembre, uma feminista (ainda por cima extremista) não teria uma cerimônia casamento tão bonita quanto Tayra teve, e não mostraria que é possível sim casal se amar e se respeitar sem ela ter que ser submissa a ele. Isso não é feminismo extremo, isso é igualdade. Julgar de feminismo extremo é quase um machismo extremo.

    Paro por aqui por que esse assunto não vai sair do circulo vicioso em que eu mostro que nosso ponto de vista é possível de ser respeitado (e não julgado) e você vai continuar dizendo que o post está errado em reclamar do que ela reclamou. Ela não está errada em escrever o que escreveu, é o que ela sente e de forma alguma ela está errada em expressar seus sentimentos.

    Termino com uma fábula de Esopo seguido do texto de Dale Carnegie:
    Sol e o Vento discutiam sobre qual dos dois era o mais forte. E o vento disse:
    “Provarei que sou o mais forte. Vê aquele velho que vem lá embaixo com um capote? Aposto como posso fazer com que ele tire o capote mais depressa do que você.”
    Então o Sol recolheu-se atrás de uma nuvem e o vento soprou até quase se tornar um furacão, mas, quanto mais ele soprava, mais o velho segurava o capote junto a si.
    Finalmente o Vento acalmou-se e desistiu de soprar. Então o Sol saiu de trás da nuvem e sorriu bondosamente para o velho. Imediatamente ele esfregou o rosto e tirou o capote. O Sol disse então ao vento que a gentileza e a amizade eram sempre mais fortes que a fúria e a força.
    O emprego da cortesia e da amistosidade podem ser observado no dia-a-dia de pessoas que aprenderam que, com um pingo de mel, se apanha mais mosca que com um galão de fel.
    O sol pode fazer com que você tire seu capote mais depressa que o vento; e a bondade, a aproximação amistosa e a apreciação podem fazer as pessoas mudarem de idéia mais prontamente que todo o barulho e as tempestades do mundo.

    • Gabriel Oliveira diz:

      Belo texto, lia as Fábulas de Esopo quando criança até que eu cresci e aprendi que as fábula expõe um ponto de vista, uma lição para cada história, claro que temos inúmeras mensagens em cada uma delas. Hoje prefiro uma leitura que né faça pensar e tomar minhas próprias conclusões sobre os fatos e histórias. Não desmerecendo as fábulas, acho todas elas lindas.

      Assim como toda história, esse post também está sujeito a diversas interpretações, não estou dizendo que a Tayra está certa ou errada, estou dizendo que as mulheres que aceitam de bom grado um “feliz dia das mulheres” têm uma outra ótica sobre essa data, e isso acabou virando, como você mesma pode perceber, uma discussão infantilóide. Talvez os argumentos que ofereci tenha ofendido vocês de alguma maneira, sei lá, se foi isso desculpa.

      Como já disse, e foi citado à exaustão, Voltaire: “Discordo do que dizes mas defenderei atê a morte teu direito de dizê-lo”. Acho que essa mensagem vale para os dois lados.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s