Ser mulher…

Passado o tal do dia fatídico e depois do meu curto post que gerou discussões tão acaloradas aqui nos comentários, vamos a uma variação sobre o mesmo tema. :)

Eu gosto muito de ser mulher, de verdade, com todos os prós e contras que essa condição me traz. Adoro poder ter meus momentos de ranzinzice e de meiguice alternados sem ninguém me olhar torto ou questionar a minha sexualidade – e nessas horas acho que deve ser bem duro e chato ter nascido homem.

Ser mulher é poder andar de mão dada com as amigas (lero-lero, os homens não fazem isso). Beijar os amigos todos, independente do sexo e da sexualidade dos mesmos. Comer chocolate que nem doida quando tá deprimida. Chorar sempre que dá vontade (e olha que eu choro litros, viu!). Sentar no colo do pai e da mãe pra receber carinho (e isso independe da idade). Fazer cara de cachorro que caiu da mudança pra conseguir as coisas que quer. Poder ter miniaturas de personagens fofinhos como Stitch, Pucca, Hello Kitty e várias outras coisinhas cutes na mesa. Fazer “óun!” pra todo bichinho fofo que cruza o seu caminho. No meu caso específico eu ainda pude amar o ballet e passar 20 anos da minha vida vivendo pra isso sem ninguém fazer cara de espanto com essa escolha, como acontece com muitos dos meninos que conheci e que fizeram a mesma opção que eu.

Talvez eu tivesse que me privar de muitas dessas coisas caso tivesse nascido homem. E sou muito, muito, muito, muito, feliz por ter vindo a esse mundo na forma de mulher. Isso porque ainda não passei pela mais plena das experiências femininas, que é a de gerar um filho. Mas sei que ela está por vir, sei que vou me sentir absoluta e acho que isso é uma das coisas que mais me faz amar minha condição feminina.

Mas como tudo que é bom tem dois lados, a gente tem o transtorno mensal da cólica (isso sem falar nas que não tem a sorte que eu tenho e ainda sofrem com a maledeta da TPM)?! Meu Deus do Céu!!! Acho que é pra gente não ficar se achando muito – hehehe. Porque apesar do tanto que a gente sofre (fisicamente), do tanto de preconceito e cara torta que a gente aguenta e já aguentou ao longo dos anos, décadas e séculos, a gente sabe que mulher é mesmo pau pra toda obra, né! E nem na outra encarnação eu tenho vontade de nascer homem.

366/68

Sobre Tayra

"Eu não aceito o que se faz Negar a luz, fingindo que é paz A vida é hoje, o sol é sempre Se já conheço eu quero é mais"
Esta entrada foi publicada em Desabafinho, Felicidade Partilhada com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s