Querido Papai Noel – por Vanessa Moore

santa5

Querido Papai Noel,

Há muitos anos eu não lhe escrevo uma cartinha e mesmo assim o senhor sempre me deu bons presentes de Natal. Desculpa, sou uma cabeça de vento. Mas isso não quer dizer que eu não acredite no senhor, apesar de saber que quando não dava pra passar lá em casa o senhor emprestava sua roupa pro meu pai fazer minha alegria. Não sei se Rudolph chegou a lhe contar, mas quando eu era bem pequena ele escorregou do telhado e ficou pendurado pela mão, vestindo suas roupas. Eu só descobri que era ele e não o senhor muitos anos depois. Papai fazia um bom trabalho como seu sósia. A pancinha nem precisava de enchimento.

Eu nem sei direito o que pedir esse ano. Ano passado eu não pedi nada e ganhei 2013! Sabia que foi um dos melhores anos da minha vida? Parece que tudo foi pra frente dessa vez. Ganhei tanta coisa boa, tantos prêmios, tantos amigos… E tantos quilos também, né, Papai Noel? Sacanagem isso aí…

Ano que vem eu vou estar em outro país, sozinha na maioria do tempo. Levo um monte de gente no meu coração e um monte de recordações na minha mala, mas o que vai ser da minha vida eu não sei. Então queria começar os pedidos… Primeiro umas doses extras de coragem, por favor. Sabe, quando eu li Harry Potter imaginei o Chapéu Seletor na minha cabeça, levando o tempo que ele quisesse pra me alocar, mas no fim ele gritava “Grifinória!” e me dizia que era porque eu precisava de mais coragem na minha vida. E acho que chegou a hora de me mandar a Espada de Gryffindor, Papai Noel. Vai acontecer muita coisa boa nesse ano novo, mas só eu sei como será difícil colocar a cabeça no travesseiro toda noite e sentir o aperto da saudade e a ansiedade pela resolução urgente dos meus problemas financeiros.

Então, olha só, já tem mais um pedido: dinheiro. É, porque em 2013 o senhor me mandou um trabalho sen-sa-cio-nal. Me matei por ele. Sangue, suor, lágrimas e reconhecimento, mas dinheiro que é bom, né? Quedê? Preciso viver, Papai Noel. Eu já namoro há 10 anos, quero casar, ter minha casinha… Com uma cozinha legal, espaçosa, onde eu possa preparar farofa de farinha de trigo pros meus amigos; um quintal bacana pra que meus bichanos sejam felizes e gordinhos… Tá, se for um apartamento basta que ele seja espaçoso. O importante é ter minha casinha. Pode ser? Tá bom, então.

Que mais?… Bom… Eu queria que o senhor mandasse alguém tomar conta da minha família enquanto eu estiver fora. Meu irmão precisa tomar jeito nessa vida, arrumar um trabalho ou decidir o que quer fazer. Minha mãe precisa de paciência com meus avós e de saúde. E cuida do noivo também. Ele é um rapaz boa pinta e muito gentil, e tem avaliação no Lulu que não é minha. A pessoa se diz “interessada”, Papai Noel. Passa com o trenó em cima dela, por favor? O quê?! Não pode desejar essas coisas?! Então toma conta dele, pra que ele não fique triste todo dia. Eu não quero que ele se sinta mal, porque a minha vida lá em Vancouver vai ser boa e divertida, e eu não quero ficar me sentindo culpada de estar aproveitando oportunidades bacanas enquanto ele chora. Dá também um bom ano pros meus amigos. Manda seus duendes entregarem vários presentinhos ao longo do ano? Eu acho melhor que entregar todos de uma vez. Vê assim, um dia em que as coisas estiverem muito difíceis, ou um mês complicado… Não sei ao certo, mas você vai saber administrar isso melhor.

Eu também queria pedir pro Brasil ganhar a Copa do Mundo. Pois é, não ligo muito pra futebol, mas meu time já foi rebaixado novamente esse ano e eu não quero ser motivo de chacota no Canadá duas vezes. Futebol é importante pra fazer amigos e ter assunto. Eu já não vou estar aqui pra enfeitar a rua e pintar os meios-fios, então deixa a Seleção ganhar essa, por favor?

Eu vou terminar a carta porque o senhor deve ter muitas outras crianças pra atender e muitas delas precisam muito mais da sua ajuda do que eu, mas eu tenho um pedido bem difícil. Eu não sei se você vai poder me ajudar nesse. Quando eu descobri que tinha passado pra faculdade, lá em 2005, ninguém me deu nada de presente. Comemorei comendo pizza em casa, porque era o que minha mãe podia fazer por mim na época. Meu pai não tinha chegado do trabalho ainda. Chegaria bem tarde da noite, com um enorme bouquet de gérberas cor de laranja, embrulhadas num papel azul com um laço enoooooorme e um cartão. Nunca tinha ganhado um cartão do meu pai. Ele só escreveu “parabéns, gatinha”, e me deu um abraço. Ele não viu o fim da minha faculdade, não foi à minha formatura e, esse ano, eu também não ganhei um bouquet de flores e um abraço. Eu acho que deve ser muito difícil fazer isso lá de onde ele está agora, mas se por um acaso der pra encontrar com ele diga que eu estou com saudades e que gostaria de, pelo menos, o abraço dessa vez. E fala pra ele não brigar comigo, mas eu tive que tirar o banquinho dele de baixo da janela da minha vó, porque os gatinhos agora dormem ali.

Então é isso aí, Papai Noel. Fica de boa e 2014 eu dou uma passada aí no norte pra dar uma ajuda em dezembro.

Obrigada

Vanessinha

Ai, a Vanessinha… Esse docinho de coco caramelado (pra você ter noção de quanto ela é doce) e decididamente umas das TOP3 pessoas mais sensacionais que já conheci em toda a minha vida. É daquelas pessoas que dá vontade de colocar no bolso e carregar pra lá e pra cá (mesmo ela só gostando da Amélie e fazendo pouco caso da Peppinha, mas enfim…).

Esse dezembro eu tô aqui com o coração dividido, porque eles está saltitante, feliz, vibrando por ela estar realizando um sonho, por estar desbravando o mundo e cortando de vez o cordão umbilical, mas ao mesmo tempo arrasada e já pensando na saudade prévia que vai ser ficar sem vê-la – mas enfim, vou acreditar que 2014 será um ano de luxo e riqueza e que estarei no Canadá em julho pra passar o aniversário junto com ela.

Papai Noel, olha lá, ela pediu um tanto de coisas, mas ela bem que merece, viu… Então faz uma força extra aí e colabora pra realizar os desejos da Vanessinha, hein. E faz favor de devolver ela pro Brasil, porque eu não quero ser madrinha de casamento no meio da neve, ok! <3

Bom, agora entramos no último fim de semana antes do Natal, por isso corram, porque depois não vai mais dar tempo, ok! Manda correndo pra esse email aqui que o bom velhinho vai te ouvir. ;)

Sobre Tayra

"Eu não aceito o que se faz Negar a luz, fingindo que é paz A vida é hoje, o sol é sempre Se já conheço eu quero é mais"
Esta entrada foi publicada em Cartas para o Papai Noel com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s