Sobre perdas, vida que segue, alento e outras coisinhas

Semente de vida

Quem me acompanha via Facebook sabe que essa não foi uma semana fácil. Começamos já na segunda recebendo a notícia de que meu sogro tinha tido um AVC. Apesar de nem SAMU e nem Polícia atenderem aos chamados de socorro, uma vizinha correu ao Hospital Santo Antônio (ligado à Beneficiência Portuguesa) na Penha e chamou um médico. Como o hospital estava a 300 metros da casa do meu sogro, o médico foi a pé verificar o estado dele, e com a ajuda de mais três pessoas o colocou num carro, levou ao hospital e providenciou a internação e medicação adequada via SUS, uma vez que o Prevent Sênior se negava a autorizar a mesma, porque, de acordo com eles, ainda estava na carência – embora a lei seja clara que emergências tenham carência de 24 horas e faltavam apenas 10 dias para a carência vencer.

Fomos visitá-lo, e ele estava bem, falou com a gente, fez piada, nos contou como foi o AVC, estava lúcido o tempo todo e conversou durante os 50 minutos que durou a visita. Apenas não conseguia mexer o braço esquerdo, mas já estava fazendo fisioterapia. No dia seguinte fomos informados que os medicamentos não estavam fazendo o efeito esperado e ele precisava ser transferido para poder fazer uma ressonância e também para ter um melhor acompanhamento neurológico, e mais uma vez o plano negou. Danton, Camila e Gabi nos ajudaram muito neste ponto, nos orientaram e fizeram toda a parte jurídica para que entrássemos com uma liminar para obrigar o Prevent Sênior a fazer a transferência e passamos a noite e parte da madrugada correndo atrás disso. Porém, na quinta pela manhã o hospital ligou pedindo para que a gente fosse imediatamente pra lá,. Chegando lá as notícias não eram nada boas, ele tinha tido um segundo AVC, muito mais sério do que o primeiro e pela gravidade, eles mesmos providenciaram a remoção para a Beneficiência via SUS. Esse processo durou quase o dia todo, e chegando ao outro hospital o quadro era muito ruim, segundo o médico a morte encefálica era praticamente garantida, ele só não podia validar porque o Sérgio estava sedado e precisaria tirar a sedação pra ver se o cérebro reagiria – ainda assim, se ele sobrevivesse, o quadro seria muito ruim, indicando um estado vegetativo.

Na sexta pela manhã estivemos lá e o teste indicou positivo para morte encefálica, mas precisam ser realizados três testes iguais, cada um de seis em seis horas para confirmar o quadro. Porém, se houvesse um segundo positivo, já validariam a morte. Mais algumas horas de agonia e expectativa, porém que foi nos preparando para tomar determinadas decisões. E o Thi disse que o pai sempre quis ser cremado e que ele doaria os órgãos do pai. E às 17h foi confirmado o quadro e ele comunicou aos médicos que doaria todos os órgãos do Sérgio.

fé

E aí que vem a notícia que eu acho que precisa muito ser divulgada. Não sei se vocês sabem – porque pra muita gente isso foi uma surpresa – mas a Prefeitura de São Paulo tem uma lei de incentivo à doação de órgãos e arca com as despesas funerárias de quem doa seus órgãos e tecidos (vale lembrar que precisa ser residente da cidade de São Paulo). No nosso caso, tivemos apenas parte das despesas pagas, porque optamos por fazer a cremação e não o sepultamento. Porém, essas despesas foram apenas 10% do orçamento que tínhamos feito.

O motivo por termos optado por doar os órgãos foi cármico e espiritual, mas acredito que a parte financeira pode pesar muito na decisão de outras famílias, e por isso acho que essa é uma informação importante e que deve ser compartilhada (e acho que a própria prefeitura deveria divulgar mais isso).

Como disse o Thi, pra vida seguir em frente: as córneas, rins e o fígado do meu sogro foram doados. E segundo ele, essa foi a última, maior e mais genial piada feito pelo Sérgio, porque de cara, todos brincamos que o fígado cheio de cerveja dele jamais seria aproveitado e ele, troll, mostrou que nos enganamos redondamente. ;)

E a vida segue, e nesse caso, ajudamos a pelo menos mais cinco vidas seguirem também. <3

Sobre Tayra

"Eu não aceito o que se faz Negar a luz, fingindo que é paz A vida é hoje, o sol é sempre Se já conheço eu quero é mais"
Esta entrada foi publicada em About me, Desabafinho com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a Sobre perdas, vida que segue, alento e outras coisinhas

  1. Nossa, que semana difícil. Plano de saúde sempre sacaneando quando mais precisamos! Força pra vocês, que o seu sogro tenha um bom descanso. Linda atitude de doarem os órgãos.
    Ótima atitude da prefeitura de SP tb em arcar com as despesas, pois assim incentiva a doação, que salva tantas vidas.

    Força e Beijossssssss
    ┌──»ʍi૮ђα ツ

  2. Meu sentimentos aos familiares.
    Menina que semana foi essa, hein…ainda bem que tudo já passou e agora é seguir mesmo em frente.
    Também sou a favor da doação de órgãos, assim podemos ajudar tantas outras famílias, não é mesmo?Bela atitude de vocês.
    Fiquem bem!
    Bjos
    Karin

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s