Escrever pra mim é como respirar…

… e eu não tenho feito isso. Logo, imaginem como tá cada vez mais difícil fazer o ar fluir.

Os dias tem sido insanamente difíceis, tá sendo muito complicado fazer a vida continuar. Cada vez que desligo o despertador e me empurro pra fora da cama, só eu sei a batalha diária que travo para conseguir me levantar e encarar meu dia “normalmente”. É um sem fim de motivos de que minha vida não faz nenhum sentido, de que não vale a pena, de “o que é que eu estou fazendo aqui?!”. Minha mente tem me levado por um trajeto de montanha russa, e eu nunca sei quando o carrinho vai estar em cima ou vai estar embaixo. Ainda assim, eu tenho tentado encarar a vida como se tudo estivesse bem. Mas não tá bem porra nenhuma. Tá foda, tá uma merda e tá surreal.

Mas eu sei que escrever me faz um bem imenso, e ainda assim, nem isso eu tenho conseguido fazer. Porque não dá tempo, porque eu não tenho que escrever, porque ninguém vai se interessar. E assim eu vou empurrando com a barriga – tem quase um ano que eu fiz meu último post por aqui. Fico botando empecilhos ridículos que eu sei que sou só eu me auto-sabotando, mas o fato é que eu não tenho conseguido vencer minhas batalhas internas. E eu sei que com isso, só tenho empurrado as pessoas para ainda mais longe de mim. A minha mente tá desgraçada!!! E durante 2018, com tudo que aconteceu na minha vida pessoal e no próprio país (na real, no mundo como um todo), não vejo muito jeito de ela melhorar. Aí a gente apela pra química, parte pras máscaras/maquiagens que a trazodona, sertalina e clonazepam podem trazer e se prepara para encarar mais um dia, mais uma batalha e vida que segue.

Mas nem sempre a gente consegue estar pronto pra lutar e é assim que a vida é. Inspira, respira, inspira, respira. No meio de tudo isso tem hora que a gente nem consegue puxar o ar direito. E é isso. Vamos ver se consigo voltar a escrever aqui com mais frequência. E foda-se que ninguém vai ler, e foda-se também que sejam posts soturnos, porque essa tem sido a minha realidade atual. Uma hora ela muda e o tom das postagens também. Por enquanto é isso…

Sobre Tayra

"Eu não aceito o que se faz Negar a luz, fingindo que é paz A vida é hoje, o sol é sempre Se já conheço eu quero é mais"
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

5 respostas a Escrever pra mim é como respirar…

  1. cristininhajorge88 diz:

    Foda-se mesmo tudo que nos faz mal. A vida é mesmo uma montanha russa, mas pensa pelo lado positivo que montanha russa é diversão também, emoção, alegria, frio na barriga, gargalhada, medo. Quando pára, às vezes dá vontade de voltar e enfrentar a fila de novo, ou voltar outro dia. Essa é a vida. Foda-se tudo que nos impede de crescer, seguir em frente, seja com medo de altura, com suor frio, com tontura por ficar de cabeça pra baixo, porque sempre tem as gargalhadas, as boas sensações e a tal da superação.

  2. Laila Nunes diz:

    eu leio sempre :)

  3. patcunha1 diz:

    Leio seu blog tem bastante tempo e mesmo sem comentar devo ter lido todos os posts do seu blog.
    Compartilho do seu sentimento de desesperança e meu ano também foi um bocado pesado para além dos problemas do país(mas eles também ajudaram a deixá-lo ainda mais pesado.). Sei muito bem que exatamente quando mais precisamos de companhia e ajuda é quando mais tendemos a nos afastar dos outros.
    Não sei bem a receita de como fazer pra essa enxurrada de sentimentos ficar mais leve e/ou fácil de lidar, mas pode ter certeza que muita gente a sua volta se importa (e algumas até de longe) muito com você. Quando tá tudo muito pesado é difícil enxergar essas coisas. E principalmente que você é uma pessoa incrível e forte. Sobrevivemos a todos os nossos piores dias e isso é MUITA coisa. Se hoje foi mais difícil de levantar pode ser que amanhã seja mais fácil. Se hoje não deu pra levantar tentaremos de novo amanhã.

    • Tayra diz:

      <3

      Quanto carinho nesse comentário!!! Obrigada mesmo!!!! Sim, estou na luta, mesmo. Tem dias que o carrinho de montanha-russa despenca, tem dias que sobe e é assim. Mas repito ao fim de cada dia que é um dia de cada vez, é aquele mantra do AA, que tá me guiando nesse momento. A cada dia que chega ao fim, encontro algum motivo para agradecer pelo dia que tive e por estar viva (mesmo que seja ter comido um brigadeiro delicioso), e assim vamos tocando o barco.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s